Make your own free website on Tripod.com

pentagon
Revolução Francesa

Home

Guerra do Vietna
Israel
A Guerra no Oriente Médio
Fatos & Fotos
Cruzadas
Segunda Guerra
Guerra Fria
Revolução Russa
Primeira Guerra
Revolução Francesa
Expansão Napoleônica
Evolução Histórica
Contate-me

Revolução Francesa

A Revolução francesa foi um modelo clássico de uma revolução burguesa, que constituiu na destruição do que restava do regime feudal que freavam a expansão do comércio e da industria. A mão de obra francesa era na sua maioria camponeses ou servos nao recebendo remuneração por seus serviços prestados o que gerava vantagens apenas para os senhores feudais. O objetivo da burquesia era torna-los assalariados gerando para si um enorme mercado interno.
O Terceiro Estado (Burquesia e povo) que arcavam com pesados impostos sustentavam os privilégios do Primeiro e Segundo Estados (Clero e Nobreza) gerando a igualdade civil.
A disparidade entre a Inglaterra e França antes da Revolução Francesa era enorme enquanto na Inglaterra a burguesia tinha o poder político através do parlamento implantado por meio da Revolução Gloriosa a burguesia francesa se encontrava subordinada a uma monarquia que não atendia a seus interesses.
O Rei baseado na teoria do direito divino era totalmente arbitrário.
No século XVIII a França participou de 3 guerras que desgastaram o país. Assumindo o trono da França o Rei Luís XVI acabou com vários encargos que impediam o crescimento industrial e também acabou com vários privilégios da Nobreza e do Clero gerando grandes manifestaçoes nestas classes.
A França assina um tratado comercial com a Inglaterra que consistia na compra de todo o vinho francês compensado pela abertura do mercado da França para os produtos ingleses. A Burguesia francesa não conseguia suportar a concorrência inglesa.
Com isso o objetivo da burquesia se tornou claro, derrubar o antigo regime e os privilégios da classe senhorial e assumir o poder sem excluir as camadas populares pois sem elas engrossando suas fileiras não seria possível cumprir seus objetivos
O primeiro passo ocorreu em 14 de julho de 1789 onde o povo em armas realizava a tomada da prisão política da Bastilha, vista como um símbolo de sustentação do antigo regime, e libertava seus prisioneiros.
E Versalhes, o rei, ao ser informado sobre os acontecimentos exclamou: "Mas isso é uma revolta!" Seu informante o duque de Lacourt, respondeu-lhe "Não, Masjetade, é uma revolução".
A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, aprovada pela Assembléia Constituinte em 26 de agosto de 1789, tem por base a declaração norte-americana: defende a propriedade privada como inviolável e sagrada, institui a igualdade jurídica e a liberdade pessoal. Em setembro de 1791, fica pronta a Constituição. Ela institui a monarquia parlamentar com um poder real enfraquecido, proclama a igualdade civil, confisca os bens da Igreja e proíbe greves e associações operárias. A unidade inicial contra os aristocratas dá lugar à complexa composição partidária. Os girondinos representam a alta burguesia; têm maioria e o apoio do rei; combatem a ascensão dos sans-culottes (sem-calções, o povo). Os jacobinos representam a pequena e média burguesia, são mais radicais e, liderados por Robespierre (1758-1794), buscam apoio popular. Os cordeliers, independentes, representantes do povo pobre, oscilam entre um lado e outro.

A República A adesão de Luís XVI à nova Constituição é acompanhada por conspirações em defesa da monarquia. Ele tenta fugir do país para comandar a escalada contra-revolucionária sob proteção austríaca, mas é preso. Em abril de 1792, os monarquistas patrocinam a declaração de guerra à Áustria, como possibilidade de volta ao poder. Austríacos e prussianos invadem a França com apoio secreto do rei, mas são derrotados pelos populares. Os sans-culottes, armados e liderados por Marat (1743-1793), Robespierre e Danton (1759-1794), assumem o governo. Criam a Comuna de Paris em agosto de 1792 e organizam as guardas nacionais. Radicaliza-se a posição contrária aos nobres, considerados traidores. Em setembro, o povo invade as prisões e promove execuções em massa.

Forma-se nova Assembléia, a Convenção, entre 1792 e 1795, para preparar outra Constituição. Os girondinos perdem força. A maioria vai para os jacobinos, liderados por Robespierre e Saint-Just (1767-1794) e reforçados pelos montanheses, grupo radical que proclama a República em 20 de setembro de 1792. Luís XVI é guilhotinado em 21 de janeiro de 1793. Por toda a Europa reúnem-se forças contra-revolucionárias que obrigam a Convenção a se defender, apoiando as medidas propostas pelos jacobinos. Começa o expurgo de adversários, o "período do terror", que se estende de junho de 1793 a julho de 1794.

Burguesia no poder Sob o comando ditatorial de Robespierre, criam-se o Comitê de Salvação Pública e o Tribunal Revolucionário, encarregado de prender e julgar os traidores. A Comuna aprisiona e guilhotina 22 líderes girondinos, e até jacobinos como Danton e o jornalista Desmoulins (1760-1794), acusados de conspiração. Milhares de pessoas morrem, entre elas o químico Lavoisier (1743-1794). Poucos meses depois da morte de Danton, em julho de 1794 dia 9 do novo mês Termidor , Robespierre e Saint-Just são presos e guilhotinados. Os girondinos, que no período do terror haviam se omitido para salvar as próprias cabeças, reaparecem para instalar no poder a alta burguesia. A Convenção cai em mãos do Pântano, grupo formado por ricos burgueses que tratam de ampliar seu poder.

A execução de Robespierre representa o fim da supremacia jacobina. A reação de 9 Termidor fecha os clubes jacobinos e redige nova Constituição, que institui outro governo, o Diretório, com cinco membros eleitos pelo Legislativo. Proclama mais uma Constituição, em 1795, que segundo o relator consolida as aspirações da burguesia, centrada em "garantir a propriedade do rico, a existência do pobre, o usufruto do homem industrioso e a segurança de todos". No período do Diretório, de 1795 a 1799, o país mergulha em crise, além de sofrer ameaças externas. Para manter seus privilégios, a burguesia entrega o poder a Napoleão Bonaparte (1769-1821).

Para muitos historiadores, a Revolução Francesa é a culminância de um movimento revolucionário global, atlântico ou ocidental, que começa nos Estados Unidos em 1776, atinge Inglaterra, Irlanda, Holanda, Bélgica, Itália, Alemanha, Suíça e, em 1789, chega à França com mais violência e ideais mais bem-delineados. Abre caminho para o capitalismo industrial neste país e repercute inclusive no Brasil.



Lavoisier, Antoine Laurent

Químico francês (1743-1794). É considerado o fundador da Química moderna. Nasce em Paris, filho de um rico comerciante, e recebe uma educação enciclopédica: estuda Matemática, Astronomia, Química e Física experimental, Botânica e Geologia. Aos 23 anos, é premiado pela Academia de Ciências da França por seu Relatório Sobre o Melhor Sistema de Iluminação de Paris. Em 1768, ingressa na Academia de Ciências, onde realiza suas experiências químicas. Trabalha também como coletor de impostos e inspetor geral das pólvoras e salitres. Entre 1785 e 1787, participa da comissão de agricultura governamental e estuda Economia e Química agrícolas. Apresenta em seu Tratado Elementar de Química (1789) uma das contribuições mais importantes para o estudo da Química moderna: os fundamentos da nova nomenclatura, criada com o químico Berthollet, a partir do conceito de elemento químico. Com a Revolução Francesa, é eleito deputado suplente dos Estados Gerais. Em 1790, participa da comissão de estudos sobre o novo sistema de medidas, o sistema métrico. Secretário do Tesouro em 1791, publica o tratado Sobre a Riqueza Territorial do Reino da França, com um plano para o recolhimento de impostos. Como vários cientistas e administradores públicos, é preso em 1793, durante o chamado "período do terror" da Revolução Francesa, em que a Convenção persegue os coletores de impostos e fecha as academias de ciências, considerando-as reacionárias. Condenado tanto por sua defesa da pesquisa científica quanto por suas atividades administrativas, morre guilhotinado em maio do ano seguinte.